segunda-feira, 14 de maio de 2012

Tic Tac Tic Tac


- Você perguntou o que eu estava fazendo... - Diz a garota já se ajeitando corretamente no sofá.

- Olha só, será que eu não estou dando conta do recado? - Pergunta a Dona Consciência com sarcasmo, tomando um tom de pura indignação. - Desde quando se encontra com aquela lá?

- Claro que está dando conta, você é a melhor conselheira quando o assunto é amor, cuida de mim e adora me escutar...

- Não respondeu minha segunda pergunta, desde quando se encontra com aquela lá?

Como se estivesse feito apenas uma pausa, para dar um suspiro, da onde havia parado, a menina continua a falar como se não houvesse escutado-a:

- Mas eu preciso de lições e ninguém sabe me dar lições como a Dona Morte! Não fique com ciúmes, sei que já foram bem amigas em um passado distante, mas você não parece querer conversar sobre isso agora, não é mesmo? Mas saiba que vocês duas são essencias, mesmo eu convivendo bem mais com você do que com ela.

Vendo um pequeno relógio, antigo, o qual a criança havia ganhado de seu falecido pai, que ela chamava de anjo ao pé da cama, todas as noites antes de dormir quando conversavam. Ao qual a garota agarrava suas mãos com forças agora, pergunta com a voz falhando, cheia de amor:

- E por que esse relógio nas mãos minha querida

- Estou esperando as pessoas pararem de querer ir para o céu a todo segundo, aos montes. ~

Um comentário:

Mandag Súlimo disse...

Quantas vírgulas, eu já fui exagerado assim também rsrs. Podia fazer algum texto de aventura, e focar em alguma coisa, mas é um bom lugar para passar o tempo, parabéns.

Seguir por e-mail